terça-feira, 17 de outubro de 2017

ESCRITOR JAPARATUBENSE LANÇARÁ LIVRO NA IV BIENAL EM ITABAIANA

ConviteLivro será lançado no maior evento literário de Sergipe


Escrito em 2013, Fim de Primavera foi publicado, oficialmente em 2015 e disponibilizado para vendas desde 2014. O lançamento será no dia 21 de Outubro de 2017, das 18 às 21 horas

Sinopse: Sabe aquele momento da vida, onde o amadurecimento nos faz refletir sobre a infância e juventude, ou seja, tudo que construímos como valores e experiências para seguir em frente o nosso caminho? Fim de Primavera seria uma metáfora ao fim da juventude? Talvez, essa juventude física, esse tempo de flores que nos deixam eufóricos e nos fazem pensar no futuro de forma dolorosa! Mas, o poeta diz que o "o fim da primavera para ele/E o recomeço..." do que não viveu ainda. Então, é o fim de uma primavera e a espera de outra? Amores, paixões, aventuras da juventude. Trabalho, família e a procura de sair da rotina... E a solidão, pode ser a companheira e a saudade o único consolo de um tempo bom, ou, que podia ter sido bom. O poeta fala com a alma para tocar a sua alma! Imperdível!"

cover_front_perspective_fim de primaveraCLIQUE NA IMAGEM PARA COMPRAR O LIVRO

Número de páginas: 104
Edição: 1(2015)
ISBN: 978-85-68166-03-1
Formato: A5 148x210


Livro publicado pela editora JHS Publicações

sábado, 23 de setembro de 2017

DIFUSÃO CULTURAL: Artistas se reúnem para tratar de ações culturais

XIV Encontro de Artistas de JaparatubaFoto: Divulgação


XIV Encontro de Artistas de Japaratuba é uma reunião onde poetas e artistas discutem ações culturais.

Com a presença de Gibras (Gilberto dos Santos), Jota Erre (José Pereira Rodrigues) e F. J. Hora (Flávio Hora) a reunião teve início às 14 horas, sobre os seguintes assuntos:

  1. Ações Culturais: onde definiu-se os projetos de publicação de antologias e a confecção de um evento ou festival independente;
  2. Avaliação do Festival de Poesia editado em 2017 – Apesar de ser um evento de divulgação e expositor da poesia Japaratubense, para os poetas Gibras e  Jota Erre faltou a participação do Conselho Municipal de Políticas Culturais como colaborador da gestão pública, resultando na má edição e má informação sobre o evento. O regulamento (antes era edital) não contemplou conquistas anteriores;
  3. Sarau – Vem crescendo o desejo em se fazer um evento onde se apresentem a diversidade artística, principalmente a poesia;
  4. Bienal do Livro de Itabaiana 2017 – Lançamento de livros de escritores japaratubenses em um dos mais importantes eventos do setor literário em nosso estado.


Fonte: JHS Publicações

domingo, 30 de julho de 2017

AS MÚSICAS ATUAIS E AS MENSAGENS DISTORCIDAS.

musica

Ouvindo o reggae bem cantado pelo cantor Edson Gomes (Cachoeira, Bahia, 3 de julho de 1955), encontrei a música que traduz a realidade brasileira, e, ao mesmo tempo, chama a atenção para a juventude que está “perdida” e para o “amor que os cantores cantam” que é uma ilusão, ou seja, está destruindo a família, pois, o conceito está distorcido.

As músicas atuais pregam o amor como uma grande “sofrência”, termo que viralizou e se tornou a “filosofia” de um povo sem rumo, frutos do consumismo e da indústria cultural.


Segue abaixo uma das melhores músicas que refletem sobre essa realidade.

edson-gomes

TRAUMAS

Edson Gomes


O amor foi a pedra que faltou no alicerce da nação

Esse amor és a pedra que sobrou nessa nossa construção

E o amor que os cantores cantam

Não junta a família

Não soma,não junta a família uo uo uo


Filhos e filhas contraindo traumas

Sexo e drogas, fama e dinheiro

Assunto principal

Sexo e drogas, fama e dinheiro

Notícias do jornal


Juventude toda perdida

Uma juventude mal dirigida

E mesmo protegido pela polícia

Nós não estamos livres da violência

A juventude toda perdida

Uma juventude mal concebida


Mesmo protegidos pela polícia

Nós não estamos livres da violência

Que não soma, nem junta uma família

Não soma, não junta, a família


ANÁLISE DO TEXTO


“O amor foi a pedra que faltou no alicerce da nação”

O Amor – sentimento espiritual de quem ama, quer bem, suporta a felicidade do outro, é caridoso. A natureza intrínseca de Deus. Diferente da paixão, que é um sentiment carnal de desejo pelo outro.


“E o amor que os cantores cantam

Não junta a família”

O amor que os cantores cantam é atração física, paixão, excessos da carne, não traz bem estar, mas, leva aos vícios e pecados. Como diz a música, causa traumas. A “sofrencia” é um produto capitalista, para vender shows, bebidas e fortalecer o comércio de ilusões.


“Sexo e drogas, fama e dinheiro

Assunto principal

Sexo e drogas, fama e dinheiro

Notícias do jornal”

Apesar da repressão de outrora, esse assunto era tratado como tabu, mas, mesmo após a quebra de símbolos e dos “bons costumes”, esses assuntos foram enfaztizados de tal forma que o ser humano ficou dividido entre o amor e o ódio, radicalizando tudo, perdendo o equilíbrio em nome de uma igualdade desleal.


“Juventude toda perdida

Uma juventude mal dirigida”

Essa distorção de conceitos levou à desorientação dos jovens atuais, a seguirem o que os vendedores de ilusão querem que o aspirantes a adultos responsáveis consumam.


“Mesmo protegidos pela polícia

Nós não estamos livres da violência”

Como consequência de tudo isso, a violência é uma realidade. Os traumas sociais revelam jovens acomodados, que sofrem calado e fazem justiça com as próprias mãos, que não querem estudar, que são contra as roupas sociais, as músicas clássicas e a poesia lírica.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

MASSILON SILVA: Do jornalismo à poesia - entrevista com um poeta e contador de histórias.

WhatsApp Image 2017-07-16 at 21.51.32Massilon Silva


Sergipe é um estado rico em cultura e poesia, e o nordeste é berço de grandes poetas populares. O chamado cordel é hoje uma das marcas da poesia sergipana e tem revelado grandes artistas como Massilon Silva, um alagoano que adotou Sergipe como morada a mais de 20 anos.


SONETO


Ao morrer que me deixem ser levado

Em pomposo cortejo, que evolui

Entre cânticos solenes entoados,

Qual soberano egípcio (que não fui).


Depositem meu corpo inanimado

Num sarcófago envolto em ouro e prata,

E por companheiros, bem ao lado,

O wisk e o cigarro de Sinatra.


Sob um manto de estrelas radiosas

E ao som de melodias eloquentes,

Habitarei entre jardins em Nínive


Adornado com pétalas de rosas

Embriagar-me-ei eternamente

De amor das mulheres que não tive.

                                                     

                                             Massilon Silva



SOBRE O AUTOR


Massilon Ferreira da Silva, natural de Pão de Açúcar, Alagoas, onde nasceu aos 06 de março de 1954.

Formado em Direito pela Faculdade de Direito de Maceió - FADIMA, estudou também Observação Meteorológica de Superfície - SUDENE/OMM, Curso Básico de Jornalismo - Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Alagoas e Teologia (não concluído ) - Faculdade ALFA, Aracaju.

Atuou como corresponde do Jornal de Alagoas, Jornal de Hoje e Desafio, todos de Maceió/AL.

Participou das antologias Tempo Definido e outras , da Editora Scortecci, São Paulo e da coletânea Aperitivo Poético, Aracaju/SE.


Confira a entrevista:


1. Como descobriu a poesia em sua vida?

Massilon Silva: Ainda na escola, no antigo Ginásio. Eu tinha um bom professor de português, que fazia questão de mostrar poesia para os alunos. Ele tinha prazer em ensinar a gente contar sílabas poéticas. Fui gostando e caí na estrada.

2. Apesar do contato com a poesia, já chegou a escrever em prosa?

Massilon Silva: Sim. Uma rápida passagem pelo jornalismo me levou para esse lado. Tenho muita coisa pronta, aguardando publicação.

3. A crônica é um texto literário originário do jornais. Qual tipo textual você aproveitou do jornalismo?

Massilon Silva: Eu gosto de contar histórias (curtas, é claro) do cotidiano, em linguagem direta.

4. Você se identifica com algum estilo literário, ou tem alguma técnica para escrever? Qual sua fonte de inspiração?

Massilon Silva: A inspiração depende do momento.  A gente pode escrever sobre um tema atual, sobre situações pelas quais passamos ou presenciamos, ou simplesmente imaginar e passar para o papel, aí já descampando para a ficção propriamente dita.

5. Sobre a divulgação do seu trabalho, há alguma dificuldade para publicar seus textos?

Massilon Silva: A maior dificuldade encontrada é mesmo a financeira.

6. As redes sociais tem sido uma válvula de escape para a divulgação. Você acha seguro publicar na internet?

Massilon Silva: Eu sou meio avesso à internet. Gosto mesmo é do impresso; do cheirinho de livro novo.

7. Sobre a leitura em nosso estado. Há incentivo para a produção e publicação de livros?

Massilon Silva: Não transito por essa área. Conheço poucas pessoas envolvidas, portanto não tenho como opinar.

8. E sobre a produção poética no Brasil Contemporâneo. Há bons autores? Alguma revelação?

Massilon Silva: Não tenho lido.

9. Quais seus prêmios, publicações, projetos ou algo relevante na área literária?

Massilon Silva: O único concurso de que participei foi de um aqui em Aracaju, Acho que era Aperitivo Poético. Fui classificado. Publiquei poemas e contos em duas Antologias da Editora Scortecci e algumas poesias em jornais. Pouca coisa. Pretendo retomar este ano, se tudo der certo.

10. Como você avalia o futuro da literatura e da produção cultural no Brasil?

Massilon Silva: As perspectivas são animadoras. Pelo que sei tem muito mais gente lendo.

sexta-feira, 30 de junho de 2017

É PRECISO SABER AMAR!

maxresdefault

Ah, sentimento difícil de se definir. Não! Aprendemos que a inclinação entre dois seres é amor e por isso somos egoístas e nos equivocamos na hora de tomar decisões quando o assunto é relacionamento íntimo.
Quando se pergunta é namoro ou amizade, estamos nos referindo a dois tipos de relacionamento diferentes. O primeiro é experimental e efêmero, o segundo é amoroso e eterno.
A definição de amor é: a natureza intrínseca de Deus. Portanto, acabam-se os tipos de amor que estamos acostumados a ver. São apenas nuances de um relacionamento. O amor é um só!
O casamento é a união de amor e sexo, porque cria a família. Então, o adultério é a infidelidade conjugal, a quebra do compromisso, e não a manifestação de amor a outras pessoas.
Por isso, muitas pessoas acham difícil dizer eu te amo, ou se entregam sexualmente quando ouve a mesma frase.
A paixão é do corpo, portanto efêmera. Já o amor é espiritual e por isso, eterno!
Essa falta de discernimento sobre os sentimentos é que tem gerado essas confusões, os individualismos e os sentimentos de posse. O amor é a caridade, é a entrega incondicional.
E como Amar ao Próximo como a si mesmo, se o amor é a inclinação sexual entre homem e mulher? O sexo com amor é mais gostoso, mas, o verdadeiro amor abdica ao sexo, porém, o casamento une os dois!
Dizer que ama é lindo. E, então, o casal trocam declarações: só amo você! E muitos vezes, esse "amor" é apenas desejo de posse! Porque no fundo, o amor a uma só pessoa, é egoísmo!

Publicado em: @flaviojhora, em 30/06/2015

quinta-feira, 15 de junho de 2017

CIDADE PEQUENA E A ILUSÃO DE PRIVACIDADE

Invasão de Privacidade

A ILUSÃO DA PRIVACIDADE

A fuga das cidades pequenas para as grandes. A desvalorização dos frutos e artistas da terra vem de uma necessidade humana e ao mesmo tempo um defeito: a privacidade e a invasão dela.

A verdade é que não temos privacidade, as pessoas sabem quando você comprou uma roupa nova, se emagreceu, engordou, cortou o cabelo, está de sapato novo, ou até mesmo está for de moda. Pessoas que não conseguiram evoluir na produção de ideias e não conseguem intervir de forma inteligente no mundo e nas coisas, somente na base do poder outorgado, vivem de querer controlar e observar a vida dos outros.

Que diversão tem a não ser isso: prestar atenção ou incomodar a vida dos outros, seja com som alto, seja com comentários hipócritas e discriminatórios que nada tem a ver com o conceito de civilização moderna?

Falta amor às pessoas. E esse amor não é o que os cantores, nem a mídia disseminam. Porque a indústria de massa só quer vender o seu produto, em nome da facilidade. Por isso, a todo tempo temos nossas vidas, ações e atitudes expostas ao mundo e sempre somos pegos pela fraqueza, como peixe que morre pela boca.

Estamos nos escondendo atrás de um celular ou rede social na web, esquecendo que os mantenedores de sites e servidores estão montando o maior banco de dados sobre nós e nossas vidas. Do mesmo modo é quem está na janela, na porta ou na calçada, vendo a vida passar (a dos outros).

Em cidades grandes, vizinhos não se conhecem, nem nunca se viram, nem se importam se você está usando aquela roupa “demodê” ou inventou moda, fazendo ou usando um “look” novo. No mundo onde as pessoas pensam e tem vida própria, não tem tempo para saber quem botou chifre em quem, mas, em investimentos, produção científica e trabalho.

sexta-feira, 9 de junho de 2017

O DESPERTAR NA ROÇA: Público presente no XXI Festival de Poesia Falada “Poeta Garcia Rosa” vota em poema do Escritor Flávio Hora

19029200_218400538677961_7123695682518545348_n

O Escritor Japaratubense foi premiado na modalidade Júri Popular: O DESPERTAR NA ROÇA, interpretado pelo jovem Davi dos Santos, neto de Zé de Jove.


O DESPERTAR NA ROÇA


Me acordo antes do sol nascer

E já começo a adentrar o que resta do mato

Em busca de lenha

Pra mode fazer o café

Cedo também levanta a muié

Que comigo se empenha


Já ao sol nascer tá tudo pronto

Pra ir pra roça, começar a lida

Essa é pra nós a melhor vida

Do que ser cativo da cidade

Que em nome da mudernidade

Vive escravo por migalhas de guarida.


Num agravo nenhum dos senhores

Que se dizem civilizado

É que por meu pai fui educado

A viver do meu suor

Se vocês acha que tem coisa melhor

Como correr atrás do trio

Enquanto a gente planta mio

E com as mulheres dançam um forró.


Num é forró de bater lata

É do fole e da zabumba esquenta muié

Daquele de arrastar os pés

E a poeira levantar

Eu prefiro é me agarrar

Com uma nega, e dar no couro

Do que me embriagar e sair no soco

De manhã ver as santinhas do pau oco

E os cabras morrendo de ressaca.


Nós come o que planta

E colhe o que Deus nos oferece

Se na cidade o povo padece

De fome, vaidade e ostentação

Pegue a inchada, a foice e o facão

E vá cultivar a terra, plantar semente

E assim, saber que a nossa gente

Num é formada, mas, tem tradição!


Autor: Flávio Hora (F. J. Hora)


Davi SantosDavi Santos, intérprete.


O evento aconteceu na noite de 08 de Junho de 2017. Teve a participação de poetas de Japaratuba, Capela, Estância, Socorro, Aracaju, e São Cristóvão. Dos 15 selecionados não compareceram 2 poetas, totalizando 13 concorrentes para a noite.

Flávio_Festival de PoesiasJuscelino Pinheiro de Brito e o ganhador na modalidade Júri Popular.

2017: JAPARATUBENSE VENCE O FESTIVAL DE POESIA FALADA DE JAPARATUBA

WhatsApp Image 2017-06-09 at 01.22.30Poetas durante o sorteio da ordem de apresentação


O evento aconteceu na noite de 08 de Junho de 2017. Teve a participação de poetas de Japaratuba, Capela, Estância, Socorro, Aracaju, e São Cristóvão. Dos 15 selecionados não compareceram 2 poetas, totalizando 13 concorrentes para a noite.


WhatsApp Image 2017-06-08 at 21.53.35Jurados do evento

Foram jurados: Pedro da Cultura, Luciano Mendonça, Juscelino Pinheiro de Brito, Éricles da Silva Santos (homenageado), Jozailto Lima e Thiagony Hellen.


Resultado:

1º Lugar (Melhor Apresentação): SUPERAÇÃO: O MAIOR ESPETÁCULO DA VIDA (Sonys Alberto) – Japaratuba

2º Lugar: Poema de Amores e Flores (José Edson) – Estância

3º Lugar: Vênus (João Batista) – Japaratuba

Melhor Texto: Poema de Amores e Flores (José Edson) – Estância

Melhor intérprete: Sonys Alberto (SUPERAÇÃO: O MAIOR ESPETÁCULO DA VIDA) – Japaratuba

Júri Popular: O DESPERTAR NA ROÇA (Flávio Hora) – Japaratuba


Sonys_Festival de _Poesia 2017

Japaratuba realiza XXI Festival de Poesia Falada "Poeta Garcia Rosa"

19059810_218399895344692_8102379524036356599_n19030295_218399975344684_4875428226886017982_nWhatsApp Image 2017-06-08 at 21.53.35 WhatsApp Image 2017-06-09 at 01.22.30Fotos: Divulgação


Na noite desta quinta-feira, 08, ocorreu o XXI Festival de Poesia Falada "Poeta Garcia Rosa" da cidade de Japaratuba.

Solenidade ocorreu no Barracão Cultural e contou com a presença da prefeita Lara, vereadores Nenê de Cenira, Albert Moura, Pedro da Cultura e Manoel Ismerim; os secretários municipais e adjuntos, além da comunidade em geral.

População se mostra empolgada com a programação cultural, educacional e social da cidade, que representa o berço da história e a tradição de Sergipe.


Fonte: Secom/Prefeitura Municipal de Japaratuba

domingo, 28 de maio de 2017

EM DELÍRIO O SEU NOME CHAMO

Desejo Louco_2


EM DELÍRIO O SEU NOME CHAMO

                                                    F. J. HORA

Quando os meus olhos

Registram o reflexo do teu corpo

Sinto em mim crescer

Um desejo quase louco

E, assim, em cada curva

Vou desenhando em minha insensatez

A vontade voraz de penetrá-la

Ao passo que descubro a sua nudez.

                                                  

                                                    06/03/2013

sexta-feira, 26 de maio de 2017

CMPC de JAPARATUBA participa de Reunião do Conselho Estadual de Cultura

CMPC_Conselho Estadual de CulturaFoto: Gibras

Na  tarde de ontem(25mai), a presidente do Conselho, Juscileide Guimarães, acompanhada de Gilberto dos Santos tiveram a oportunidade de sentar com os Conselheiros Estaduais e fazerem um relato sobre a experiência do município de Japaratuba em relação a implementação das Políticas Culturais no município. Na sua fala, o Senhor Gilberto aproveitou para atualizar o colegiado estadual sobre o funcionamento do Conselho local. A presidente reafirmou o convite a alguns membros do CMPC para que pudessem se fazer presentes na visita oficial, que só foi possível devido um espaço (carona) no carro do Vice Presidente da ASPE. Por questão de agenda não foi possível a ida de mais membros para essa iniciativa.
A Presidente: "A partir de agora, estaremos mais vezes aqui, para que possamos dividir experiências e trocar informações". Fomos muito bem recebidos pelo Presidente Antônio Alves do Amaral e demais componentes do Pleno! Voltaremos mais vezes. E eles também estarão nos visitando.

Fonte: facebook.com/gilberto.cmpc

Flávio Hora fala sobre o Programa NOVO MAIS EDUCAÇÃO

 

Flávio Hora em 26052017_Mais Educação

Evento ocorreu hoje, às 8 horas na Câmara Municipal de Japaratuba. Organizado pela Secretaria de Educação, contou com a presença de secretários, diretores de escolas, comunidade e da Prefeita Lara.
O Novo Mais Educação é uma estratégia do Ministério da Educação que tem como objetivo melhorar a aprendizagem em língua portuguesa e matemática no ensino fundamental, por meio da ampliação da jornada escolar de crianças e adolescentes.

A Secretaria de Cultura de Japaratuba divulga classificação do Festival de Poesia Falada edição 2017

 

Festival “Garcia Rosa”: 15 poesias são classificadas

WhatsApp Image 2017-05-26 at 11.37.07Clique na imagem pra ver a classificação

A Secretaria de Cultura, Turismo e Eventos da Prefeitura de Japaratuba divulgou nesta quarta-feira (25) o resultado das poesias classificadas para o XXI Festival de Poesia Falada “Poeta Garcia Rosa”. Foram selecionadas pela comissão julgadora 15 obras de um total de 60 poesias produzidas por 27 autores inscritos, de nove municípios sergipanos. Cada poeta pode concorrer com um máximo de três textos inéditos em sites e redes sociais da internet.

Lançado em 20 de abril, o festival tem tema livre. As três melhores poesias, o melhor texto e o melhor intérprete serão contemplados com o Prêmio “Éricles da Silva Santos”. O primeiro lugar receberá R$ 2 mil, o segundo lugar R$ 1,5 mil e terceiro mil reais. Já o melhor texto ficará com um prêmio de mil reais, o melhor intérprete com R$ 700,00 e o poema aclamado pelo juri popular, com R$ 500,00.

A premiação dos vencedores ocorrerá dia 08 de junho, às 19h30, no Barracão Cultural.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social/Prefeitura de Japaratuba

Link da notícia

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Japaratuba participa da I Reunião de Coordenadores do Programa Bolsa Família na Educação !

 

WhatsApp Image 2017-05-18 at 15.03.09WhatsApp Image 2017-05-18 at 09.05.37

A Secretaria de Educação, através do Coordenador do PBF na Educação, Flávio Hora, e, da Auxiliar Municipal Geovanna Rodrigues participou no dia de hoje do I Encontro de Coordenadores do PBF na Educação.
O evento aconteceu em Aracaju, contou com a presença de vários Coordenadores, Auxiliares e Técnicos Municipais de todo o Estado, e a Coordenação Estadual do Programa Bolsa Família na Educação.

Avanços do PBF na Educação, gestão 2017 .

• Cadastro de Operadores Escolares das redes municipais, estaduais e privadas do município;
• Parceria com o CRAS através do acesso aos sistemas de gestão do PBF;
• Redução do número de NLOC no município;
• Atualização dos cadastros dos beneficiários do PBF.

Fonte: SEMED/Japaratuba-SE.

domingo, 14 de maio de 2017

FIM DO CANTO: Falta de leitura e virtualização das relações sociais

 

Geração Telemóvel e o fim da leitrua

O FIM DO CANTO

                     F. J. HORA

 

Sou amigo do lápis e da caneta

E do papel, que ficam ali a esperar

Que a musa chegue de veneta

E alguns versos possa rabiscar

Pois, parece que a pena está obsoleta

Já que muitos não querem cantar

A poesia do nosso tempo esquecida

Na velocidade do estresse, no passo lento da vida!

 

Esses três elementos, armas vitais

Do silêncio, da concentração, do poetar

Causa-me uma ânsia e tremor fatais

De que quando vá se acordar

Os que não leem, nem querem mais

Fruir com a leitura em bom lugar

Prefiram a poluição sonora, a fantasia

Esquecendo o canto e findando a poesia.

 

 

O poema acima discorre sobre uma das preocupações do eu-lírico: o fim da poesia.

Esse tema bastante recorrente na literatura flaviana está presente em quase todos os seus livros de poesia, como uma alerta ou até mesmo u desabafo contra a poluição sonora e o avanço das tecnologias que distanciam os jovens da boa leitura.

terça-feira, 25 de abril de 2017

Prefeitura de Japaratuba promove XXI Festival de Poesia Falada

XXI Festival de Poesia de Japaratuba-divulgação

Prefeitura promove XXI Festival de Poesia Falada

Através da Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Eventos, a Prefeitura de Japaratuba abre inscrições para o XXI Festival de Poesia Falada Poeta Garcia Rosa – Prêmio “Éricles da Silva Santos”.

Além de troféus, há quase R$ 7 mil em premiação para os primeiros colocados, cabendo ao poeta cuja poesia ficar em primeiro lugar o prêmio de R$ 2 mil.

Mais uma ação da gestão Lara para valorizar a cultura de Japaratuba, o festival acontece no dia 8 de junho, às 19h30, no Barracão Cultural.

Poderão participar todos os poetas residentes em Sergipe com até três poesias, que não tenham sido publicadas em sites e redes sociais. O tema é livre.

As inscrições, que foram abertas, nesta quinta-feira dia 20, e vão até o dia 22 de maio, podem ser feitas na Secretaria de Cultura, Turismo e Eventos (Avenida Otávio Acioli Sobral) das 8h às 16h ou pelo email seculte@japaratuba.se.gov.br.

Fonte: Secom/Prefeitura de Japaratuba.

Baixe aqui o regulamento

quinta-feira, 13 de abril de 2017

EDITORA DE JAPARATUBA LANÇA MAIS UM LIVRO

cover_front_big_sentimentos do coraçãoCapa do livro

Cumprindo a sua responsabilidade social, a editora JHS Publicações, publicou e disponibilizou para vendas o livro da escritora Liu Poetisa, Sentimentos do Coração.
A data do lançamento ainda não foi divulgada!

Os Sentimentos do Coração é o que nos impulsionam a viver, são eles que revelam realmente quem somos através de gestos, atitudes e palavras. Este livro foi feito exatamente para isso, para que através de tudo que sentimos possamos expressar o nosso "eu" sejam relacionados as sensações alegres ou tristes do nosso dia a dia! Tenho certeza que cada poesia aqui escrita se identificará de alguma forma com o leitor!

A Escritora

Liu PoetisaLiu Poetisa

 

MEU NOME É NILEILDES RODRIGUES DA SILVA SANTOS NASCIDA EM JAPARATUBA- SERGIPE NO DIA 26 DE MAIO DE 1976 FILHA DE ALOISIO DA SILVA E MARIA RODRIGUES COMECEI A ESCREVER POESIAS AOS 11 ANOS DE IDADE. HOJE, ALÉM DE ESCREVER SOU COMERCIANTE E MORO ATUALMENTE NA BAHIA.MESMO MORANDO DISTANTE DA
MINHA TERRA NATAL NUNCA CORTEI OS LAÇOS AFETIVOS QUE TENHO POR CIDADE FAMÍLIA E AMIGOS. PARTICIPEI A PRINCÍPIO DE 03 CONCURSOS DE POESIA FALADA DE JAPARATUBA, DENTRE ELES O QUE HOMENAGEOU O GRANDE POETA SERGIPANO E JAPARATUBENSE GARCIA ROSA. TAMBÉM SOU PROTETORA E DEFENSORA DOS ANIMAIS, ME ENVOLVENDO EM DIVERSAS CAUSAS EM AJUDA E APOIO A DIVERSAS INSTITUIÇÕES.

ASSIM SOU EU, SIMPLESMENTE “Liu Poetisa”

 

Premiações


Participei recentemente de 03 Antologias: IV prêmio literário escritor
Marcelo de Oliveira Souza, antologia de poesia e prosa.
Concurso Nacional novos poetas 2016CNPP antologia poética
com 250 poemas fiquei entre os 20 melhores em 11° lugar/
poemas.

cover_front_perspectiveClique na imagem para comprar o livro

domingo, 19 de março de 2017

CARNE PODRE E OUTRAS TECNOLOGIAS DA MODERNIDADE

 

2

Sobre a carne podre nas indústrias brasileiras, isso,para mim, não é surpresa. Primeiro, pelo modelo capitalista e, segundo, pela forma como os consumidores idolatram as marcas de seus produtos preferidos.
A indústria e a tecnologia chegaram para “ninguém ter trabalho” e abandonar sua culinária “tradicional”, tornando-os sazonais.
Na verdade, esse é o motor da economia capitalista: as empresas produzem e nós consumimos. E isso, gera empregos, enfraquece a agricultura familiar, pois, deixa a produção nas mãos dos grandes fazendeiros que, em nome da produtividade e da qualidade (entende-se por qualidade aquilo que agrade o consumidor e o faça comprar o produto), passa a utilizar sementes e produtos transgênicos.
No caso da reutilização de produtos vencidos, é óbvio que há uma superprodução para baratear o custo, e, não tendo consumo suficiente, o produto acaba “passando da validade”. E o consumidor sendo subserviente das grandes marcas confia cegamente. Adquire produtos feitos com os “restos” do abate e da manipulação da matéria-prima consumível. Isso é grave! As pessoas transferiram a responsabilidade sobre sua própria qualidade de vida para o governo e para as grandes empresas.
Hoje, somos subalternos das elites políticas e empresariais desse país. Por isso, só fazemos o que eles mandam e só comemos o que eles produzem. Isso é fato!
A democracia brasileira é uma farsa. Não somos nós quem mandamos coisíssima nenhuma. Até porque, nós mesmos não queremos mandar. Dizem logo: “isso é com eles lá”. E quando a consciência pesa dizem mais: “são todos iguais”. Ou seja, está tudo perdido.
A reutilização de produtos vencidos pode ser comparada à reeleição de políticos corruptos. Ou seja, estamos aptos a engolir tudo, seja bom, seja ruim!

domingo, 12 de março de 2017

EM OUTROS BRAÇOS, o amor que não é namorado! Preconceitos e discriminações!

 

Agradecimento - Flávio Hora - Em outros braços

O amor não correspondido, a decepção de um “é só amizade”! O que é, afinal, a decepção de levar um fora?

O sentimento mais lindo e puro do mundo sofre de preconceitos e discriminações, mesmo todos sabendo que o que faz sofrer é se “apaixonar”. Porque a paixão é a atração física ardente pelo objeto de desejo.

O medo de amar se confunde com o medo de se apaixonar. O amor seja ele de pai e mãe, irmão, amigo ou namorado tem como natureza o bem estar do outro (pessoa amada) em primeiro lugar.

Sendo o amor a natureza intrínseca de Deus, podemos destacar alguns conceitos:

Amor: natureza intrínseca de Deus; portanto, quer o bem do ser amado. E por ser divino, é imortal. Portanto, o amor é eterno.

Amizade: relacionamento amoroso;

Amigo: o ser amado;

Amante: o ser que ama;

Então, surge a pergunta que é fundamental na diferenciação dos sentimentos: É namoro ou amizade?

Namoro: experimentação sentimental (ou sexual) entre duas pessoas.

Casamento: Compromisso de fidelidade conjugal através da união carnal entre duas pessoas. Ou seja a união do amor e do sexo.

Adultério: infidelidade conjugal. E não, o amor a outras pessoas.

As mulheres ainda estão apegadas à visão machista e, por isso, ser homem é ser ativo sexual, viril, para elas. E, culturalmente, são detentores da segurança feminina.

Deus disse: amai ao próximo como a ti mesmo! Então, dizer ´”só amo você” é egoísmo.

No poema EM OUTROS BRAÇOS, o eu-lírico discorre sobre essas características do amor:

  1. Seu corpo longe em outros braços: Para amar não é preciso possuir o corpo da pessoa amada;
  2. Feliz desfruta do prazer: Quem ama está feliz com a felicidade do outro;
  3. Sei que não há dor de te perder: Amar sem ser amado não é uma dor;
  4. Pois nunca de ti tive abraços: O poeta ama, mesmo sem ter tocado ou “consumado” o encontro íntimo com a mulher amada.

A primeira estrofe destaca a forma como o amor se manifesta sem perseguições, nem inveja, nem sofrimento.

Na segunda estrofe é exaltada a beleza do corpo que causa desejo sexual no autor. Porque sendo o amor um sentimento espiritual, a beleza física carnaliza esse amor através do desejo que pode gerar ou não uma paixão.

Já na terceira estrofe, o amor é visto como infinito, pois deixa saudade e segue na esperança ao longo do tempo de um dia se carnalizar.

Por fim, encerra concluindo que todo esse “embaraço” é causado pela paixão e não pelo amor e, por isso, tem medo de confessar a vontade de abraçar a mulher amada e desejada para que ela não seja de outro homem.

Portanto, todo amor é acompanhado de esperança. O sentimento que move a humanidade através dos sonhos e aspirações da alma humana.

cover_front_perspective_amor disfarçadoClique na imagem para comprar o livro

POLUIÇÃO SONORA como fruto da falta de produção científica, cultural e filosófica

Poluição Sonora no Trabalho

"Enchimento agudo de cabeça oca". Frase engraçada de um desenho animado. Mas, analisando as novas gerações, a ficção faz jus à imitação da realidade.
Existe uma grande maioria de pessoas ociosas, preenchendo seus vazios e tédios existenciais com coisas fúteis que, no fim, deixam novamente a desejar.
Continuamente, vemos o "exército de reservas", pessoas que laboram, e esperam ansiosamente o fim de semana. E ai, juntam-se a eles os oportunistas (xepeiros) para ostentar que são bons de farra!
Frutos do consumismo e da exploração capitalista, nos conformamos em receber menos do que vale o nosso trabalho, pois, ignoramos o conceito de mais-valia por achar uma chatice ler sobre o Marxismo.
A educação no atendimento dessa política desenvolvimentista, onde ter uma profissão é a principal meta, traz à tona a importância do ensino superior.
Ora, se o estudante só se preocupa com a produção em massa, uma minoria deterá o poder científico, cultural e reflexivo, o único capaz de produzir mudanças estruturais e ideológicas num país de desigualdades sociais.


Mas, em fim, antes morrer do que perder a vida!

domingo, 15 de janeiro de 2017

FESTA DE SANTOS REIS E SÃO BENEDITO 2017 acontece em Japaratuba–Rei e Rainha do Cacumbi são coroados

 

Festa de Reis 2017 - Coroação do Rei e da RainhaFesta de Reis 2017 - Divulgação

15jan2017 - Festa de Santos Reis e São Benedito em Japaratuba\SE - coroação dos Rei e Rainha dos Grupos de Cacumbis, Guerreiros, Maracatu, Marujada, Reisado, Taieira -


REI: Elenízio [ninizo] e RAINHA: Aparecida[pichita]; mesmo ainda fugindo à tradição cultural a nova gestão desconhece o Conselho Municipal de Políticas Culturais\CMPC e à revelia escolhe o casal para coroar, dizendo, por seus mestres de cerimonia que estão promovendo o resgate cultural do Município! Vamos trabalhar em conjunto com a comunidade para o verdadeiro resgate cultural da nossa ancestralidade e a premissa de um futuro dinâmico, tendo como embasamento a nossa real cultura e o verdadeiro resgate dos grupos culturais que estão desaparecendo. Desconhecedores da nossa comunidade comentaram até que a escolhida para Rainha é neta do Mestre Curau(cacumbis); quase acertam - em verdade a menina "pichita" é neta do Mestre Poioca, brincante e parceiro do Mestre Curau. Abraços culturais.

Por Gilberto dos Santos, em: Facebook