terça-feira, 26 de junho de 2012

CARACTERÍSTICAS DO FENÔMENO ARTÍSTICO: O CONHECIMENTO ARTÍSTICO COMO PRODUÇÃO E FRUIÇÃO

O CONHECIMENTO ARTÍSTICO COMO
PRODUÇÃO E FRUIÇÃO


— A obra de arte situa-se no ponto de encontro entre o particular e o universal da
experiência humana.


“Até mesmo asa branca/ Bateu asas do sertão/ Então eu disse adeus Rosinha/ Guarda contigo meu
coração” (Luís Gonzaga e Humberto Teixeira).


No exemplo da canção “Asa Branca”, o vôo do pássaro (experiência humana universal) retrata
a figura do retirante (experiência particular de algumas regiões).
Cada obra de arte é, ao mesmo tempo, um produto cultural de uma determinada época e uma
criação singular da imaginação humana, cujo valor é universal.
Por isso, uma obra de arte não é mais avançada, mais evoluída, nem mais correta do que
outra qualquer.

— A obra de arte revela para o artista e para o espectador uma possibilidade de existência
e comunicação, além da realidade de fatos e relações habitualmente conhecidos.


O conhecimento artístico não tem como objetivo compreender e definir leis gerais que
expliquem por que as coisas são como são.

“Tudo certo como dois e dois são cinco” (Caetano Veloso).

As formas artísticas apresentam uma síntese subjetiva de significações construídas por meio
de imagens poéticas (visuais, sonoras, corporais, ou de conjuntos de palavras, como no texto literário
ou teatral). Não é um discurso linear sobre objetos, fatos, questões, idéias e sentimentos. A forma
artística é antes uma combinação de imagens que são objetos, fatos, questões, idéias e sentimentos,
ordenados não pelas leis da lógica objetiva, mas por uma lógica intrínseca ao domínio do imaginário.
O artista faz com que dois e dois possam ser cinco, uma árvore possa ser azul, uma tartaruga possa
voar. A arte não representa ou reflete a realidade, ela é realidade percebida de um outro ponto de
vista.
O artista desafia as coisas como são, para revelar como poderiam ser, segundo um certo modo de
significar o mundo que lhe é próprio. O conhecimento artístico se realiza em momentos singulares, intraduzíveis, do artista ou do espectador com aquela obra particular, num instante particular.

— O que distingue essencialmente a criação artística das outras modalidades de
conhecimento humano é a qualidade de comunicação entre os seres humanos que a obra de arte
propicia, por uma utilização particular das formas de linguagem.


A corporificação de idéias e sentimentos do artista numa forma apreensível pelos sentidos
caracteriza a obra artística como produto da criação humana.
O produto criado pelo artista propicia um tipo de comunicação no qual inúmeras formas de
significações se condensam pela combinação de determinados elementos, diferentes para cada
modalidade artística, como, por exemplo: linhas, formas, cores e texturas, na forma plástica; altura,
timbre, intensidade e ritmo, na forma musical; personagens, espaço, texto e cenário, na forma
teatral; e movimento, desenho no espaço, ritmo e composição, na forma da dança.
O que seria essa utilização particular das formas da linguagem? Num texto jornalístico, a
matéria pode informar sobre uma peça teatral de fim de ano ocorrida na escola X, feita por um grupo
de alunos, descrevendo e relatando o acontecimento. Seu objetivo é informar o leitor sobre o fato.
No conto “Pirlimpsiquice”, Guimarães Rosa também fala de um acontecimento semelhante,
de um modo completamente diferente. É um texto poético que se inicia com a seguinte frase:
“Aquilo em nosso teatrinho foi de Oh!”. Nessa frase, o texto não dá apenas uma informação ao
leitor, mas concretiza uma multiplicidade de significações relativas à experiência de um grupo de
alunos que fizeram uma peça de final de ano num colégio de padres. A expressão “foi de Oh!” é
uma síntese poética que ganha sentido para o leitor dentro do conjunto do texto e contém tudo o
que é relatado a seguir, ao mesmo tempo que lhe propicia conferir a este “Oh!” suas próprias
significações. Essa expressão quer dizer o quê? Espanto, maravilha, embevecimento, susto, medo e
muitas outras coisas para cada leitor. O que importa é que, em vez de descrever minuciosamente o
que foi a experiência, Guimarães Rosa condensa toda essa experiência numa única frase síntese
que, como imagem poética, é um modo particular de utilização das possibilidades da linguagem,
criando um tipo diferenciado de comunicação entre as pessoas.
Assim como cada frase ganha sentido no conjunto do texto, realizando o todo da forma literária,
cada elemento visual, musical, dramático ou de movimento tem seu lugar e se relaciona com os
demais daquela forma artística específica.

— A forma artística fala por si mesma, independe e vai além das intenções do artista.

A “Guernica”, de Picasso, contém a idéia do repúdio aos horrores da guerra. Uma pessoa que
não conheça as intenções conscientes de Picasso pode ver a “Guernica” e sentir um impacto
significativo; a significação é o produto revelado quando ocorre a relação entre as imagens da obra
de Picasso e os dados de sua experiência pessoal.
A forma artística pode significar coisas diferentes, resultantes da experiência de apreciação
de cada um. Seja na forma de alegoria, de formulação crítica, de descoberta de padrões formais, de
propaganda ideológica, de pura poesia, a obra de arte ganha significado na fruição de cada espectador.

— A percepção estética é a chave da comunicação artística.

No processo de conhecimento artístico, do qual faz parte a apreciação estética, o canal
privilegiado de compreensão é a qualidade da experiência sensível da percepção. Diante de uma
obra de arte, habilidades de percepção, intuição, raciocínio e imaginação atuam tanto no artista
quanto no espectador. Mas é inicialmente pelo canal da sensibilidade que se estabelece o contato
entre a pessoa do artista e a do espectador, mediado pela percepção estética da obra de arte.
O processo de conhecimento advém de relações significativas, a partir da percepção das
qualidades de linhas, texturas, cores, sons, movimentos, etc.
Quando Guimarães Rosa escreveu: “Nuvens, fiapos de sorvete de coco”, criou uma forma
artística na qual a metáfora, uma maneira especial de utilização da linguagem, reuniu elementos
que, na realidade, estavam separados, mas se juntaram numa frase poética pela ação criadora do
artista. Nessa apreciação estética importa não apenas o exercício da habilidade intelectiva mas,
principalmente, que o leitor seja capaz de se deixar tocar sensivelmente para poder perceber, por
exemplo, as qualidades de peso, luz, textura, densidade e cor contidas nas imagens de nuvens e
fiapos de sorvete de coco; ao mesmo tempo, a experiência que essa pessoa tem ou não de observar
nuvens, de gostar ou não de sorvete de coco, de saber ou não o que é uma metáfora fazem ressoar
as imagens do texto nas suas próprias imagens internas e permitem que crie a significação particular
que o texto lhe revela. A significação não está, portanto, na obra, mas na interação complexa de
natureza primordialmente imaginativa entre a obra e o espectador.

— A personalidade do artista é ingrediente que se transforma em gesto criador, fazendo
parte da substância mesma da obra.


Van Gogh disse: “Quero pintar em verde e vermelho as paixões humanas”. Os dados da
sensibilidade se convertem em matéria expressiva de tal maneira que configuram o próprio conteúdo
da obra de arte: aquilo que é percebido pelos sentidos se transforma em uma construção feita de
relações formais por meio da criação artística. O motor que organiza esse conjunto é a sensibilidade:
a emoção (emovere quer dizer o que se move) desencadeia o dinamismo criador do artista. A emoção
que provoca o impacto no apreciador faz ressoar, dentro dele, o movimento que desencadeia novas
combinações significativas entre as suas imagens internas em contato com as imagens da obra de
arte. Mas a obra de arte não é resultante apenas da sensibilidade do artista, assim como a emoção
estética do espectador não lhe vem unicamente do sentimento que a obra suscita nele. Na produção
e apreciação da arte estão presentes habilidades de relacionar e solucionar questões propostas pela
organização dos elementos que compõem as formas artísticas: conhecer arte envolve o exercício
conjunto do pensamento, da intuição, da sensibilidade e da imaginação.

— A imaginação criadora transforma a existência humana através da pergunta que dá
sentido à aventura de conhecer: “Já pensou se fosse possível?”.


“O mestre Nasrudin estava sentado à beira de um lago muito grande. O prefeito da cidade
passava por ali naquele momento e viu quando Nasrudin jogou um pouco de iogurte nas águas e
começou a mexê-las com uma vareta. Perguntou-lhe o que fazia e o outro respondeu:
— Estou fazendo iogurte.
— Mas isto é um absurdo — disse o prefeito. — É impossível fazer iogurte dessa maneira,
água não vira iogurte.
— Já pensou se fosse possível? — respondeu Nasrudin”9 (9. Ver Grillo, N., 1994).
A imaginação criadora permite ao ser humano conceber situações, fatos, idéias e sentimentos
que se realizam como imagens internas, a partir da manipulação da linguagem. É essa capacidade
de formar imagens que torna possível a evolução do homem e o desenvolvimento da criança;
visualizar situações que não existem, mas que podem vir a existir, abre o acesso a possibilidades
que estão além da experiência imediata.
A emoção é movimento, a imaginação dá forma e densidade à experiência de perceber, sentir e
pensar, criando imagens internas que se combinam para representar essa experiência. A faculdade imaginativa está na raiz de qualquer processo de conhecimento, seja científico, artístico ou técnico. A flexibilidade é o atributo característico da atividade imaginativa, pois é o que permite exercitar inúmeras composições entre imagens, para investigar possibilidades e não apenas reproduzir relações conhecidas.
No caso do conhecimento artístico, o domínio do imaginário é o lugar privilegiado de sua atuação: é no
terreno das imagens que a arte realiza sua força comunicativa.
“Oi, meu patrão, a gente num deve de levá os negoço de arranco, lá cumo quem diz a ferro
e fogo.
Quem num arranja de bons modo, de cum força é que num vai.
Corda munto esticada rebenta.
Ancê já viu cumo é que se tempera viola? Pois arrepare.
Caboclo pega da viola cum jeito, cumo quem corre a mão na crina de burro chocro.
Puxa pras cavera de devagá.
Aperta elas leve leve.
Passa os dedo nas corda, experimenta.
Bombeia o bordão.
Entesa as tripa do meio: ipa! Não vai rebentá.
Destroce, torna a experimentá.
Tempera a prima na afinação, sorta um espiricado e cumeça a ponteá.
Por daí um poco viola tá chorano cumo gente.
Magina ancê se o violero de um arranco apertasse as cravera numa vezada.
Num ficava uma corda só.
Era um desastre dos diabo.
A gente, meu patrão, decede os negoço cumo quem tá temperano viola”10 (10. Ver Gomes, L., 1985.).
A qualidade imaginativa é um elemento indispensável na apreensão dos conteúdos,
possibilitando que a aprendizagem se realize por meio de estratégias pessoais de cada aluno.

Fonte: 1. Parâmetros curriculares nacionais. 2. Arte : Ensino de primeira à quarta série. I. Título. Páginas 28-31

Nenhum comentário:

Postar um comentário